Cursos Disponibilizados

Música de Concerto 

Violino | Viola | Violoncelo | Contrabaixo | Harpa 

Flauta | Oboé (Corne-inglês) | Clarinete | Fagote 

Trompa | Trompete | Trombone Tenor | Trombone Baixo | Tuba  

Saxofone | Eufônio | Percussão | Canto Lírico | Piano | Composição  

Choro (Violão, Sopros, Acordeon, Bandolim, Percussão e Cavaquinho) 

Prática de Orquestra e de Banda Sinfônica 

Os cursos de Prática de Orquestra e Prática de Banda Sinfônica não disponibilizam matrícula. Serão realizados pelos alunos selecionados entre os participantes dos cursos de instrumentos. 

Música de Câmara 

Recitais de Música de Câmara serão organizados no decorrer do Festival e apresentados nos horários designados para recitais de alunos. 

Currículos dos Professores

Prática de Orquestra e Banda Sinfônica

Evandro Matté (BRA)
Diretor artístico da Orquestra Sinfônica de Porto Alegre (OSPA), do Festival Internacional Sesc de Música – Pelotas, da Orquestra de Câmara Theatro São Pedro (OCTSP) e dos Concertos Comunitários Zaffari. Possui especialização pelo Conservatório de Bordeaux (FRA) e Universidade da Geórgia (EUA) e MBA em Gestão Empresarial com ênfase em cultura. 

Daniel Jinga (ROM)
Daniel Jinga estudou na Universidade Nacional de Música de Bucareste. Em 2004, concluiu o Mestrado em Regência Coral e Estilística de Regência na mesma instituição, que lhe concedeu o título de Doutor em Música em 2012. Em 2009, estreou-se com a Orquestra Sinfónica de Bucareste. Em 2012 venceu o concurso da Ópera Nacional de Bucareste para ocupar o cargo de Maestro do Coro. Ao mesmo tempo, dirigiu uma série de orquestras de Bucareste e de todo o país. Em 2015, foi nomeado primeiro regente da Orquestra Sinfônica Muntenia em Tîrgoviște. Em 2016, tornou-se o primeiro maestro da Orquestra Metropolitana de Bucareste, regendo uma notável série de galas e produções musicais independentes. De janeiro de 2019 a dezembro de 2020, foi Diretor Artístico da Ópera Nacional de Bucareste, da qual é Diretor Geral desde março de 2021. 

Marcelo Jardim (BRA)   
É professor de Regência de Banda e Prática de Orquestra na Escola de Música da UFRJ, além de diretor musical da Orquestra de Sopros da UFRJ, com a qual gravou o CD “A Obra para Orquestra de Sopros de Heitor Villa-Lobos”. Possui doutorado em música pela UNIRIO, com foco na obra para banda de Villa-Lobos. Atuou na consultoria e direção artística do Festival Música das Américas Festival Internacional de Música do Pará de 2013 a 2019. Como regente convidado, tem experiência internacional. Na área pedagógica, é professor e palestrante em diversos eventos no Brasil e no exterior. Atua como consultor artístico e pedagógico para o Projeto Bandas da Funarte e foi responsável pela implantação do curso de Regência de Banda no Instituto Estadual Carlos Gomes, em Belém/PA. É coordenador geral de projetos como Bossa-Criativa, SINOS e Um novo olhar, uma parceria da FUNARTE e UFRJ. 

Violino  

Liviu Prunaru (ROM)

Violinista Liviu Prunaru conquistou os principais prêmios e reconhecimento internacional nos mais prestigiados Concursos Internacionais de Violino do mundo, como, Dong-A International Violin Competition (Coréia do Sul), Indianapolis International Violin Competition (EUA), Rodolfo Lipizer International Violin Competition (Itália) e muitos outros. Sr. Prunaru fez sua estreia na cidade de Nova York com a Juilliard Symphony no Lincoln Center’s Alice Tully Hall após conquistar o primeiro lugar no Juilliard Mendelssohn Competition. Prunaru tem se apresentado como solista com: Concertgebouw Amsterdã, a Orquestra Filarmônica Real, Orquestra Sinfônica de Londres, Orquestra Nacional da Bélgica, Westdeutsche Sinfonia, Orquestra Filarmônica de Atenas, Orquestra Sinfônica de Bari, entre muitos outros.

Alberto Dourthé (CHL)
Realizou seus estudos de violino no Chile no Instituto de Música da PUC e na Faculdade de Artes da Universidade do Chile, com os professores Jaime de la Jara, Fernando Ansaldi, Isis Muñoz y Alberto Dourthé Abbé. Prosseguiu na Europa, no Conservatório de Luxemburgo e no Conservatório Real de Mons (Bélgica), graduando-se respectivamente sob a orientação da professora Marie Charron e do professor Philippe Koch, além de participar de cursos de aperfeiçoamento com o professor Igor Ozim. Residindo na Europa por uma década, fez parte de orquestras (ECYO, Radio Luxemburgo) e grupos de música de câmara da Bélgica, França e Luxemburgo, realizando turnês pela Europa, Estados Unidos e México. Atualmente, é professor no Instituto de Música da PUC, professor no Instituto Profesional Escuela Moderna de Música, instrutor na Fundación de Orquestas Juveniles e Infantiles de Chile e spalla da Orquestra Sinfônica Nacional do Chile.

Pablo de Leon (PRT)  
Natural de Cascais – Portugal, teve sua formação inicial no Brasil com a família Fukuda, Ayrton Pinto, e seu pai, Alejandro de León. Foi bolsista da Fundação Vitae para aperfeiçoamento em violino e música de câmara na classe do professor Chaim Taub, em Israel. Desde 2003, sob a regência do maestro Valery Gergiev, é o único violinista brasileiro a fazer parte da Orquestra Mundial pela Paz. Ministrou aulas em diversos festivais, como o Festival Eleazar de Carvalho em Fortaleza, o Festival Internacional de Campos do Jordão, o Festival Internacional de Verão de Brasília, entre outros. Atuou como spalla da Orquestra Sinfônica Brasileira da Cidade do Rio de Janeiro de 2008 a 2014 e desde o ano 2000 ocupa o cargo de spalla da Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo.

Xavier Inchausti (ARG)
Atuou como concertino da Orquestra Sinfônica Nacional e atualmente da Orquestra Filarmônica de Buenos Aires. No exterior, foi solista com a Musikverein Pressbaum Orchester e WienerTonkunst Vereinigung Orchester (Viena), Filarmônica de Sarajevo, Sinfônica do SODRE, Filarmônica de Montevideo, Sinfônica do Chile, National Ukrainian Symphony (Kiev), Berliner Symphoniker Orchester, Moscow Symphony Orchestra, Sinfônica de Campinas (Brasil), Orquestra Sinfônica de Puerto Rico, Sinfônica de Vitoria (Brasil), Orquestra de Câmara Reina Sofía de Madrid, State Philharmonic Orchestra (Romênia), Bulgarian National Radio Symphony Orchestra, entre outros. Ele gravou para o selo Naxos o concerto de Esteban Benzecry com a Lviv National Philharmonic Symphony Orchestra, sob a regência de Pablo Boggiano. Recebeu o prêmio de Melhor Solista Instrumental 2011/2015 da ACMA e o 1º Prêmio do Concurso Internacional de Violino Dr. Luis Sigall. Ele faz parte do Trio Ginastera e participou do 1º, 2º e 5º Festivais Konex de Música Clássica.  

Viola 

Gabriel Marin (BRA)
Violista da OSUSP, foi também violista da Orquestra Sinfônica Municipal de SP sendo durante 6 temporadas primeira viola solo. Premiado em diversos concursos, destacando-se o Prêmio Eleazar de Carvalho do Festival de Inverno de Campos do Jordão de 2004. Foi músico da Orquestra Jovem das Américas, onde tocou ao lado de Gustavo Dudamel, Leonard Slatkin e Yo Yo Ma em turnês por 13 países das Américas. Atuou também como violista da Orquestra Sinfônica de Odense (Dinamarca), atuando em concertos naquele país e na Alemanha. Atualmente, além da orquestra, é professor e coordenador pedagógico do Instituto Baccarelli, idealizador e professor do Encontro Campestre de Violas e violista do Quarteto Carlos Gomes, grupo que vem se destacando no cenário nacional.

Sophia Reuter (ALE)
De 2006 a 2013, foi a viola principal da Orquestra Filarmônica de Duisburg (Deutsche Oper am Rhein). Atuou regularmente como viola principal convidada em orquestras como o Grán Teatre del Liceu (Barcelona), a Orquestra do Gewandhaus de Leipzig, assim como em outras principais orquestras sinfônicas na Alemanha e no exterior. Além de turnês como solista nos centros musicais da Europa e América, seguiram-se gravações de música de câmara com Naxos, Claves, SWR e BR na Alemanha. Concluiu seus estudos de viola com o Prof. Alfred Lipka na Hochschule r Musik Hanns Eisler em Berlim. Desde 2018, é membro da seção de viola da Staatskapelle Berlin e, desde 2021, atua como sub-principal. Ela tem um interesse particular em música de câmara, desde o Barroco até o repertório contemporâneo. Toca com o virtuoso ensemble Tharice Virtuosi (Suíça) e com o Linden Strings Berlin, o sexteto de líderes de cordas da Staatskapelle Berlin. É membro do Trio Lirico desde a sua fundação em 2013.

Violoncelo 

Stanimir Todorov (BUL) 
Iniciou seus estudos em Sofia (Bulgária). Participou da Menuhin Academia e estudou com personalidades de destaque: Radu Aldulescu, Yehudi Menuhin, Alberto Lysy e Lory Wallfisch. Foi destaque no Concurso Rostropovich como melhor intérprete de música contemporânea. Trabalhou na Orquestra Suiça Romande.   

Rodrigo Silveira (BRA)
Nascido em Porto Alegre, é um violoncelista renomado. Graduado pela Juilliard School em Nova Iorque, atuou como solista em importantes orquestras nacionais e internacionais. Como camerista, colaborou com renomados artistas e lançou o álbum “Convergências”, premiado com três prêmios “Açorianos”. Atualmente, é Violoncelo Assistente da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo e membro do Quarteto Osesp, além de ser professor no Instituto Baccarelli e na Academia da Osesp.

Contrabaixo 

Julian Medina (ARG)
Nascido em Buenos Aires, começou a estudar contrabaixo aos 16 anos, sob a orientação de Omar Moreno e Oscar Carnero. Em 2013, ingressou na Academia Orquestral do Instituto Superior de Arte do Teatro Colón, onde continuou seus estudos principais com Elián Ortiz Cárdenas. Com o apoio da fundação Mozarteum Argentino, complementou sua formação com aulas magistrais de renomados músicos. Participou da Orquestra do Festival de Música Schleswig-Holstein em 2016, apresentando-se em salas de concerto na Alemanha sob a regência de destacados maestros. Julián Medina tem se destacado como solista em várias orquestras nacionais e internacionais e foi premiado em diversos concursos de contrabaixo. Desde 2016, é Solista Adjunto de contrabaixos da Orquestra Filarmônica de Buenos Aires do Teatro Colón. 

Eder Kinappe (BRA) 
Graduado em contrabaixo pela UFGRS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul), foi contrabaixista da Orquestra Sinfônica da UCS (Universidade de Caxias do Sul). Foi vencedor do Concurso Jovens Solistas da OSPA em 2001 e realizou aperfeiçoamento na Universidade da Geórgia (EUA). É contrabaixista da Orquestra Sinfônica de Porto Alegre e professor do Conservatório Pablo Komlòs (POA).   

Harpa 

Liuba Klevtsova (RUS) 
A russa Liuba Klevtsova nasceu e estudou em Moscou. Após sua formação acadêmica no Conservatório Tchaikovsky de Moscou na classe de Vera Dulova no ano 2000, integrou a Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo – OSESP, onde atua como harpista principal e professora da Academia da OSESP.

Flauta 

Cassia Lima (BRA)
Renomada flautista brasileira, sua formação inclui estudos com destacados professores em São Paulo e na Universidade Estadual Paulista (UNESP), onde concluiu seu bacharelado. Realizou mestrado em Nova York com bolsas da Fundação Vitae e do Mannes College of Music, obtendo também o Artist Diploma. Vencedora de importantes concursos no Brasil e nos EUA, destacou-se como Primeira Flauta da Orquestra de Minnesota e da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo. Desde 2009, é Primeira Flauta Solista da Filarmônica de Minas Gerais, além de participar ativamente de projetos de música de câmara e ser reconhecida por suas performances como solista. Seu trabalho inclui gravações e colaborações com diversos músicos, e ela é presença constante no Festival Artes Vertentes, em Tiradentes (MG), desde 2019. 

André Mendes (BRA)
É mestre e doutor em Performance Musical pela Universidade Federal de Minas Gerais, com orientação do prof. Dr. Mauricio Freire. Sua formação teve início no Conservatório Dramático e Musical de Tatuí-SP, sob a tutela do prof. Edson Beltrami, e continuou na Universidade Estadual Paulista com Jean Nöel Saghaard. Graduou-se na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, obtendo láurea acadêmica. Atuou como 2° flautista e piccolo na OSPA de 2006 a 2012, tornando-se primeiro flautista da Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas em 2012. Participou como músico convidado da Orquestra de Câmara de Bremen em sua turnê brasileira em 2022. Academicamente, tem se dedicado à história e organologia da flauta transversal, apresentando suas pesquisas em instituições como o Museu Nacional da Música e a Escola Superior de Música de Lisboa em 2023. 

Oboé 

Viktória Tatour (BIE)
Oboísta solo da Orquestra sinfônica de Porto Alegre, nascida em Minsk, Bielorússia, a oboísta Viktoria Tatour é Mestre pelo Conservatório Nacional daquele país. Em 1996, especializou-se em oboé com Pierre Pierlot, professor do Conservatório Nacional Superior de Música de Paris.   

Philip Nodel (RUS)
Oboísta e professor no Conservatório Estadual Tchaikovsky de Moscou e Escola de Música do Conservatório de Moscou. É Fundador da primeira Orquestra de Instrumentos Russos Pratum Integrum. Completou seus estudos no Conservatório de Moscou com o proeminente professor de Oboé Alexey Utkin. Foi mesmo da Orquestra de Câmara Música Viva de Alexander Rudin de 2002 a 2010. Colaborou com muitas orquestras e conjuntos russos, como Orquestra Nacional Russa, Filarmônica Nacional da Rússia, Orquestra Sinfônica Tchaikovsky, Orquestra de Câmara Virtuosi de Moscou, Orquestra de Câmara Musica Viva, Ensemble Hermitage e muitos outros.

 

Clarinete   

Cristiano Alves (BRA)
Doutor em Música pela UNICAMP e Mestre pela UFRJ, é detentor de diversas premiações em importantes concursos, tendo graduado-se com summa cum laude pela UFRJ, onde leciona há quase vinte anos. Participou de centenas de gravações fonográficas e apresenta-se com frequência em vários países das Américas, Europa e Ásia. Com destacada carreira como solista, foi responsável por diversas primeiras audições, tendo também colaborado com os naipes de prestigiosas orquestras como OPES, OSB, OSESP e Orquestra do Mercosul. Leciona frequentemente em diversos Festivais de Música no Brasil e no exterior. Além de lançamentos de CDs solo, possui publicações em método, artigos e livros. Grandes compositores da música brasileira dedicaram-lhe dezenas de composições. Atua na produção fonográfica como diretor artístico do Selo e do Estúdio A Casa. Idealizou e coordena, há sete anos, o FIC-Rio, Festival Internacional de Clarinetistas.  

Diego Grendene (BRA)    
Clarinetista da OSPA (Orquestra Sinfônica de Porto Alegre) e Diretor da Escola de Música da OSPA. Graduado pela UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul), é especialista pelo Conservatório Real Superior de Antuérpia, na Bélgica, e Mestre pela UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro). Toca regularmente como solista e camerista em diversas cidades brasileiras, tendo realizado 44 concertos na França, com o quarteto de clarinetes Aliénor. Nos últimos anos tem sido professor de clarinete em diversos Festivais de Música no Brasil. 

Fagote 

Giorgio Mandolesi (ITA)  
Primeiro Fagote solista da Orquestra de Paris, professor de fagote moderno e histórico na Escola Superior de música de Zurique (Suíça), professor de fagote histórico no Conservatório Nacional Superior de Música de Paris. Colabora regularmente como fagote Solista com a Orquestra de câmera Mahler, Filarmônica de Câmara Alemã Bremen, a orquestra do Testro  Liceu, em Barcelona, a Orquestra da RAI de Turim, Orquestra Haydn de Bolzano e Trento, o Teatro San Carlo de Nápoles, Teatro La Fenice, em Veneza.   

Trompete 

Flávio Gabriel (BRA)
Professor de trompete na Escola de Música da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Vencedor do 2º prêmio no Concurso Internacional de Música Primavera de Praga em 2010. Foi o principal trompetista da Orquestra Sinfônica de Porto Alegre entre 2004 e 2009, e trompetista da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo – OSESP entre 2009 e 2015. Bacharel em Música pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – UNIRIO, orientado pelo professor Dr. Nailson Simões. Mestre em Ensino das Práticas Musicais na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – UNIRIO. Doutor em música pela Universidade Estadual Paulista – UNESP – SP.

Eric Aubier (FRA)  
Renomado trompetista francês, reconhecido por sua excepcional carreira como solista internacional e professor. Iniciou seus estudos aos 14 anos com Maurice André no CNSM de Paris, onde se destacou como o mais jovem graduado da época, conquistando três primeiros prêmios. Aos 19 anos, foi nomeado trompetista solo da Orquestra da Ópera de Paris por Rolf Liebermann. Além de sua atuação como músico, é professor, ensinando em importantes instituições como o CRR de Rueil-Malmaison e a Royal Academy of Music em Londres, além de ser professor convidado no Conservatório Shobi em Tóquio. Ele também é diretor do French Trumpet Institute em Tóquio e fundador de várias competições internacionais de trompete.

Trompa 

Ignácio Garcia (ARG)
É um renomado trompista e educador nascido em Buenos Aires. Influenciado por mestres como Edward Brown e Norbert Hauptmann, tornou-se fluente nos estilos americano e alemão. Ao longo de sua carreira, atuou como solista e músico convidado em orquestras prestigiadas, incluindo a Filarmônica de Berlim e a Orquestra Sinfônica de Chicago. Com mais de 20 anos de experiência, ministrou masterclasses em diversos países e lecionou na Academia de Orquestra da Staatskapelle Berlin e na Universidade de Música e Drama de Rostock. Em 2022, foi homenageado com um professorado honorário pela sua contribuição à música. 

Lucca Zambonini (BRA)
É Solista Especial na Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas desde 2010. Com um doutorado em Música pela UNICAMP, ele fundou o Instituto Cultural Zambonini, que proporciona educação musical para crianças e jovens. Reconhecido como solista, recebeu o prêmio PROAC do governo de São Paulo em 2018 para a gravação de seu primeiro álbum solo, “A Trompa é Virtuosa”. Sua carreira inclui atuações como trompista em várias orquestras renomadas, bem como participações em trilhas sonoras, gravações de CDs/DVDs e turnês internacionais. É filho do trompista Adalto Soares e possui um mestrado em Trompa/Artes pela Hochschule für Musik Karlsruhe, Alemanha. Também é membro da diretoria da Associação de Trompistas do Brasil e atua como Conselheiro na International Horn Society.  

Trombone Tenor 

José Milton Vieira (BRA) 
Trombone solista da OSPA (Orquestra Sinfônica de Porto Alegre), é ganhador de vários prêmios nacionais e internacionais. Conquistou o primeiro prêmio e o prêmio do público no 26° Concurso Internacional “Città di Porcia” (Italia-2015); primeiro prêmio do “Concurso Filarmônico Lewis Van Haney” em Paris (ITF 2012), entre outros. No ano de 2019 lançou o seu primeiro cd, entitulado” Plural”.  É artista exclusivo Thein- Brass.   

Trombone Baixo 

Rodrigo da Rocha (BRA)
Bacharel em música pela Faculdade Mozarteum de São Paulo e cursa o mestrado profissional em música na Universidade Federal do Rio de Janeiro. É solista da Orquestra Sinfônica de Porto Alegre desde outubro de 2017. Antes de se tornar membro da OSPA, foi trombonista baixo da Filarmônica de São Caetano do Sul, Bachiana Filarmônica e Orquestra Sinfônica da Universidade de São Paulo, e atuou como convidado em algumas das maiores orquestras do Brasil, como: Orquestra Sinfônica Brasileira, Orquestra Filarmônica de Minas Gerais e Orquestra Sinfônica do Teatro Municipal de São Paulo.

Tuba 

Luis Ricardo Serralheiro (BRA)
Formou-se na Escola Municipal de Música de São Paulo e graduado na Faculdade Mozarteum de SP. Atuou como Principal Tubista da Orquestra Sinfonia Cultura, Orquestra Sinfônica do Estado de SP (OSESP), Banda Sinfônica do Estado de SP, Orquestra Filarmônica de São Bernardo do Campo, além de Tubista convidado da Orquestra Sinfônica de USP, Bachianna Filarmônica, Camerata Aberta, entre outras. Atualmente é principal tubista da Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo. Considerado um dos professores mais atuantes do Brasil, sendo docente da Escola municipal de música de SP, Faculdade Mozarteum de SP, Professor do Instituto Baccarelli e da Academia de Tubas do projeto NEOJIBA (Salvador/Bahia).

Saxofone 

Douglas Braga (BRA)  
Saxofonista e compositor premiado, reconhecido internacionalmente por suas conquistas em competições como o Concurso de Saxofone de Paris, o Concurso Internacional Adolphe Sax e o Concurso Pan-Americano de Saxofone. Se apresentou como solista em várias orquestras renomadas e colaborou com importantes compositores em estreias e gravações. Como professor de saxofone, ministrou masterclasses em várias universidades e festivais de música. Suas composições foram executadas em diversos países, e é reconhecido como artista da Henri Selmer Paris e da D’Addario Woodwinds. Participou de projetos internacionais e lançou seu álbum “Música Livre” em 2018. 

Eufônio 

Fernando Deddos (BRA) 
Fernando Deddos é professor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Graduado em Composição e Regência pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná, Mestre pela Universidade Duquesne e Doutor em música pela Universidade da Geórgia (EUA). Gravou o primeiro disco dedicado ao eufônio no Brasil, premiado pela Associação Internacional de Tubas e Eufônios (ITEA). Possui obras publicadas, performadas e gravadas na Asia, Américas e Europa. Deddos é presidente da ETB – Associação de Eufônios e Tubas do Brasil e artista Adams Instruments (Holanda).

Percussão 

Gerardo Salazar (CHL)

Atua como Timpanista e Percussionista Principal da Orquestra Sinfônica Nacional do Chile (OSNCH). É professor Associado de Percussão na Pontifícia Universidade Católica do Chile e Instrutor Nacional de Percussão na Fundação de Orquestras Juvenis e Infantis do Chile. Possui bacharelado em Música pela Universidade do Chile e mestrado em Belas Artes pela Pontifícia Universidade Católica do Chile, ambos com Distinção Máxima. Seu programa de residência em Performance em Percussão foi concluído na Universidade Carnegie Mellon, EUA, com o Professor Timothy Adams Jr. Destacou-se como solista de percussão, tendo se apresentado internacionalmente com várias orquestras renomadas. É Diretor Artístico do Festival Internacional de Percussão no Chile e membro do Conselho Nacional de Cultura e Artes do Chile.  

Douglas Gutjahr (BRA) 
Douglas Gutjahr é bacharel em Percussão pela UFSM, mestrando em Música pela UFRJ e atua como timpanista da OSPA desde 2016. Entre 2007 e 2008, como membro da Orquestra Jovem Mundial (JMWO), apresentou-se em algumas das principais salas de concerto da Europa: Berliner Philarmonie (Berlim), Muziekgebouw (Amsterdã) e Palau de les Arts (Valência). Foi escolhido o Melhor Instrumentista Erudito do Prêmio Açorianos de Música 2016. Visando a inclusão social por meio da música, atua, desde 2009, como professor do projeto Vida com Arte (Unisinos). 

Canto Lírico 

Eiko Senda (JAP)
Nascida no Japão, formou-se no Japão e Alemanha como cantora solista e Pedagoga, ganhou diversos prêmios em concursos internacionais. Já atuou em mais de 90 óperas. Recebeu excelentes críticas do jornal “The New York Times” e as revistas “Opernwelt” e “Opera”, e o prêmio cultural japoneses. Tendo orientado mais de 450 cantores, professores e atores, atualmente possui estúdio de preparação de voz em Montevideo (URU).    

Flávio Leite (BRA)
É pós-graduado pelo Conservatório Superior del Liceu, em Barcelona e Mestre em Música pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Tem se firmado como um dos mais atuantes e versáteis cantores líricos brasileiros, desenvolve ampla atividade como camerista e solista em oratórios e obras sinfônicas. Nos últimos anos fez as estreias mundiais das óperas Dulcinéia e Trancoso e a Ópera do Mambembe Encantado de Eli-Eri Moura, O Menino e a Liberdade de Ronaldo Miranda, O Perigo da Arte de Tim Rescala, gravou a ópera A Estranha, de Vagner Cunha e participou da premiada versão moderna da última ópera de Villa-Lobos, A Menina das Nuvens.

Piano 

Cristian Budu (BRA 
Citado pelo próprio Nelson Freire (em sua última entrevista) como seu sucessor, Cristian Budu teve seu pianismo descrito pelo célebre crítico Alain Lompech como “grandioso, digno de Arrau aos 50 anos, de Nelson Freire ou de qualquer grande maestro do passado como Furtwängler” (2022). Vencedor do Concurso Internacional Clara Haskil, Cristian está em 2 ultraseletas listas da Gramophone (Beethoven e Chopin) que incluem gravações históricas de Martha Argerich, Arthur Rubinstein e Maria João Pires. Colaborou em duos com Antonio Meneses e Renaud Capuçon. Já solou no Verbier Festival e La Roque D’Antheron Festival, e com orquestras como Orquestra Sinfônica de Lucerna, Orquestre de la Suisse Romande, Orquestra de Câmara de Lausanne e Orquestra Sinfônica da Rádio de Stuttgart.

Composição 

Guilherme Bernstein (BRA)
Compositor, regente e pianista brasileiro, reconhecido por sua versatilidade e talento. Como diretor artístico do Festival de Ópera de Ouro Preto e regente da Orquestra da UNIRIO, tem deixado uma marca significativa no cenário musical. Suas composições abrangem uma vasta gama de gêneros, incluindo óperas, sinfonias, obras orquestrais, ciclos de canções e peças para piano. Além disso, ele possui extensa experiência como regente, tendo atuado com várias orquestras no Brasil e no exterior. Com formação acadêmica sólida, incluindo bacharelado em Regência Musical, mestrado em Composição e doutorado em Música, Bernstein também é autor de importantes obras literárias sobre música brasileira.   

CURSO DE CHORO 

O curso de Choro tem a proposta de debater e exercitar a linguagem do choro incluindo todos os instrumentos musicais. Dentro do currículo do curso pode-se destacar o material didático específico voltado a música popular, as práticas de conjunto de Choro (Regionais) e práticas de orquestra de Choro com arranjos inéditos feitos pelos professores. 

Mathias Behrends Pinto | Violão (BRA) 
Compositor e violonista porto-alegrense licenciado em música pelo Instituto Porto Alegre, coordenador da Oficina de choro de Porto Alegre. Em 2019 criou a OCPA – Orquestra de choro de Porto Alegre realizando o concerto Baile Brasileiro junto ao maestro Nailor Proveta. Curador do projeto Unimúsica 2019 com a edição samba-choro. Em 2020 realizou aula na universidade Oxford/Inglaterra com foco na composição de choro e foi jurado no festival Moenda da Canção (RS). Prêmio Açorianos 2020 de melhor produtor musical. 

Lucian Krolow | Sopros (BRA) 
Natural da cidade de Pelotas/RS onde formou-se Bacharel em Flauta Transversal pela Ufpel (Universidade Federal de Pelotas). Atualmente é professor da Oficina de Choro do Santander Cultural de Porto Alegre desenvolvendo a linguagem do Choro com instrumentistas de Sopro em geral.  

Matheus Kleber | Acordeon (BRA) 
Natural de Porto Alegre, é acordeonista e pianista. Graduado em Composição Musical pela UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) e mestre em Estudos Instrumentais e Performance Musical na UNICAMP (Universidade Estadual de Campinas). É professor na FUNDARTE e no projeto Ouvir a Vida. Com 19 anos de carreira, participou de mais de 80 discos, entre eles IDA, trabalho autoral lançado em 2010 em duo com o violonista e bandolinista Pedro Franco, e o CD Congruências, seu primeiro álbum solo lançado em 2016. Como solista e arranjador, atuou com diversas orquestras. 

Elias Barboza | Bandolim (BRA) 
Porto Alegrense, bandolinista, compositor, educador musical e arranjador. Formado em Licenciatura em Música pelo IPA em 2010, atua também como professor na Oficina de Choro do Santander Cultural e já foi solista de inúmeras orquestras como Orquestra Unisinos, Orquestra da Ulbra, Orquestra da PUCRS. 

Guilherme Sanches | Percussão (BRA) 
Natural de Porto Alegre (RS), iniciou as atividades musicais em 1997 atuando nos festivais de música do estado do Rio Grande do Sul. Acompanhou em discos e shows grandes artistas da música brasileira, dentre eles estão: Déo Rian, Ademilde Fonseca, Jorginho do Pandeiro, Avendano Júnior, Plauto Cruz, Darcy Alves, Luciana Rabello, Nilze Carvalho, Ronaldo do Bandolim, Moacir Luz, João de Almeida Neto. 

Alexandre Susin | Cavaquinho (BRA) 
Natural de Porto Alegre (RS), é cantor, cavaquinista e compositor, atua em diversos projetos ligados ao choro e ao samba em Porto Alegre. Desde o início do ano, é professor nas turmas de voz-coro na Oficina de Choro Santander Cultural.    

Música de Câmara 

Max Uriarte (BRA)  
Graduado em piano pelo Instituto de Artes da UFRGS – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, aperfeiçoou-se na Universidade de Música de Viena e no Conservatório e Faculdade de Música de Zurique, onde concluiu sua Pós-Graduação. Tem intensa atividade em música de câmara e atuado como solista em importantes orquestras do cenário nacional.. 

Pianistas Correpetidores 

Sérgio Sisto (BRA)  
Natural de Porto Alegre, atua na área do Canto e é o atual Diretor Artístico e regente do Coro e Orquestra Filarmônica Música pela Música em Pelotas/RS. Começou sua formação musical na Escola de Música da OSPA. Foi vencedor por cinco vezes do concurso Jovens Solistas. Participou da série “Concertos para a Juventude” e em diversas temporadas da OSPA, sob a regência de maestros como Tulio Belardi, Arlindo Teixeira, Diogo Pacheco e Eleazar de Carvalho. 

André Carrara (BRA)  
Pianista da OSPA (Orquestra Sinfônica de Porto Alegre), é Doutor em música pela UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul). Gravou os 12 Estudos op. 10 de Chopin e tem atuado como concertista nas principais orquestra do país. 

Paulo Bergmann (BRA)  
Bacharel em piano pela UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul), desenvolve intensa atividade como pianista correpetidor, repertorista e acompanhador de cantores em festivais de música, masterclasses e recitais no Brasil e exterior. 

Núcleo Social do Festival

Cleverson Cremer (BRA)  
Cleverson Cremer é mestre em música pela Universidade de Brasília, pós-graduado (Lato Sensu) em música, por meio da Faculdade Futura e Graduado na Universidade Federal de Goiás, possuindo licenciatura em música, habilitado em educação musical. Ganhou diversos prêmios em performance nos últimos anos, dentre os quais estão: o primeiro lugar no Concurso de Cordas Paulo Bosísio (2013); Primeiro prêmio na competição de música internacional Grand Prize Virtuoso, categoria música de câmara, sendo convidado a realizar um concerto no Royal Albert Hall, em Londres (2016); Primeiro lugar no concurso internacional em Salzburg, categoria solo (2017); e segundo lugar no II Concurso Nacional de Violistas, em Curitiba (2018). Como professor, atuou em projetos sociais, na cidade de Aracajú (2011-2012). Similarmente foi contratado pela Fundação Universitária Evangélica (FUNEV), em Anápolis, no período de 2013 a 2019. Também desempenhou função de docência em diversos festivais de música, dentre os quais se destacam: o 6º Festival de Música de Anápolis (2013); Festival Internacional de Música da Universidade Federal de Goiás (2015 e 2016); III Festival de Música da Região Sul de Goiás (2018); e o VI ENVIO (2022), em Porto Alegre.

Geovane Marquetti (BRA)  
Natural de Volta Redonda, Rio de Janeiro, iniciou seus estudos aos seis anos com a professora Maria José Evangelista, com orientações dos professores Carlos Moreno, Ricardo Amado e Paulo Bosísio respectivamente no “Projeto Volta Redonda Cidade da Música”. Bacharel em Violino pelo Centro Universitário de Barra Mansa (UBM) na classe do professor Rudá Alves. Mais tarde foi aluno da professora Ana de Oliveira. Atou como spalla na Orquestra de Cordas de Volta Redonda, Orquestra Sinfônica de Gramado (OSG), Orquestra Sinfônica da Universidade de Caxias do Sul (OSUCS)e Orquestra Sinfônica de Barra Mansa (OSBM), onde teve a grande oportunidade de atuar nas turnês no Brasil com o Ballet Kirov (Rússia), Ballet Alla Scala (Itália) e com o Ballet Bolshoi (Rússia). Atua como violinista na Orquestra Theatro São Pedro (POA), Sphaera Mundi Orquestra e Orquestra Sinfônica de Porto Alegre (OSPA).

Murilo Alves (BRA)  
Natural do Rio de Janeiro, Murilo Alves aperfeiçoou suas habilidades musicais no Brasil e no exterior, incluindo o Bacharelado em Violoncelo com Hugo Pilger e Mestrado em Música pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – UNIRIO, na Hochschule für Musik Karlsruhe na Alemanha, sob a orientação do prof. Martin Ostertag e na 50ª Academia de Música Tibor Varga em Sion, na Suíça. Com uma sólida formação musical e experiência em diversos contextos de música erudita e popular, atua frequentemente em orquestras sinfônicas, música de câmara e gravações de estúdio. Integrou a Orquestra Filarmônica de Goiás e a Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Desde 2017, é violoncelista da Orquestra Sinfônica de Porto Alegre – OSPA e faz parte do Quarteto de cordas Ibirapitanga e do Trio Guarani (violino, violoncelo e piano). Ao longo dos anos, Murilo também tem se dedicado a projetos educacionais, ministrando aulas e workshops para jovens músicos. Atuou como professor de violoncelo nos projetos “Aprendiz” e “Bem-me-quer Paquetá” no Rio de Janeiro, e nos 10° e 11º Festival Internacional de Música de Pelotas.

Fabrício Basso (BRA)  
É violinista e educador musical natural de Sananduva, RS. Graduou-se em Violino pela UFRGS em 2007 e concluiu o mestrado na University of Wisconsin-Milwaukee em 2011. Atuou em diversas orquestras, como OSPA e Orquestra Villa-Lobos, e participou de turnês internacionais. Desde 2013, é professor de violino e viola na Orquestra Villa-Lobos e coordena projetos sociais de música. Além disso, tem experiência como regente e leciona no Colégio Israelita Brasileiro desde 2019.