O projeto propõe oportunizar palestras e apresentações literárias exclusivamente a estudantes de escolas públicas, selecionando escritores, professores ou especialistas em determinadas áreas da literatura, possibilitando trabalhar as temáticas de uma forma mais dinâmica e consequentemente menos expositiva, técnica ou tradicional. Além de oportunizar e dinamizar o acesso ao acervo das Bibliotecas do Sesc.

 

PROGRAMAÇÃO 2018

Profissional: Genifer Gerhardt

+

Palhaça, bonequeira e professora de teatro, Genifer Gerhardt é formada em Licenciatura em Teatro pela Universidade Federal da Bahia. Em 2012, recebeu o Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz para montagem do espetáculo “Brasil Pequeno”, um solo com bonecos em miniatura inspirado em histórias ouvidas durante seu andar. Pelo projeto fez uma temporada de apresentações em 12 residências de diferentes bairros de Porto Alegre/RS. Recebeu Prêmio Revelação 2013 nas categorias Melhor Atriz e Melhor Espetáculo por “Brasil Pequeno” através da Prefeitura Municipal de Porto Alegre – Secretaria Municipal da Cultura.

Em 2014 lançou o “Brasil Pequeno Itinerante” com a mesma proposta de apresentação com bonecos em miniatura, mas agora a contar diferentes histórias nas ruas e espaços públicos. Ainda em 2014 foi premiada pelo projeto “Brasil Pequeno Itinerante” – um retorno às povoações visitadas em 2009 – Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz 2014. Pelo Prêmio viajou do Sul ao Nordeste (Bahia). Após este período seguiu a itinerar com suas apresentações artísticas, de maneira independente em sua casa-rodante. O percurso motivou a ampliação das histórias contadas em “Brasil Pequeno Itinerante” e a publicação de um livro, “brasil pequeno”, o segundo de Genifer. Publicado pela Editora Libretos (Porto Alegre/2017), o livro traz relatos das viagens pelo Brasil e fotos dos bonecos feitos a partir dos encontros. O primeiro livro, “TIMTIM – um filho, uma mãe, dois nascimentos”, encontra-se esgotado.

Tema: Brasil Pequeno Itinerante

Sinopse: Tem história que é da Bahia, tem do Rio Grande do Sul também. Vai para Tocantins, desce para o Paraná, segue o bordado em Minas Gerais. Tudo alinhado feito colcha de retalhos de avó – para lá, para cá. ‘Brasil Pequeno Itinerante’ é um espetáculo de histórias e de Bonecos em miniatura que fala de pessoas. Pessoas que Genifer encontrou em viagens pelo Brasil, conhecidas em olhos, ouvidos e afetos. A habitar seus bolsos, os bonecos carregam as histórias de cada estar e de cada sentir. Carregam a grandeza que habita o detalhe.

Profissionais: Paula Taitelbaum

+

Paula Taitelbaum é apaixonada pela palavra. A escrita, a falada, a imaginada. Nos anos 80, iniciou seu trabalho como atriz no Grupo Pé de Palco, dirigido por Júlio Conte. Nos anos 90, formou-se em publicidade, trabalhou como redatora publicitária, lançou os livros de poemas Eu versos Eu (1998) e Sem Vergonha (1999)A partir dos 2000, firmou-se como escritora, lançou novos livros, participou de coletâneas de poesia e crônica, passou a colaborar com jornais e revistas. E mais: adentrou o mundo do livro infantil lançando Palavra vai, palavra vem (2013), Bichológico (2016) e Pra que serve um dedo? (2017). Atualmente, dedica-se a escrever, mas também a editar livros, pois é uma das sócias fundadoras da Editora Piu.

Tema: Era uma vez um livro vivo

Sinopse: Todo livro tem uma história dentro dele, mas também possui uma história por trás dele. Em “Era uma vez um livro vivo”, a escritora Paula Taitelbaum lerá um livro e depois contará mais sobre a obra e seus autores. Tudo para suprir a curiosidade natural que existe dentro de cada leitor e responder às perguntas que sempre surgem: “De onde veio a ideia de escrever este livro?”, “O que mais seu autor escreveu?”, “Qual a técnica usada pelo ilustrador?”, “Como se produz um livro?”. Tudo de forma lúdica, dinâmica e poética. Durante o encontro, ao longo do bate-papo, os alunos podem fazer intervenções e perguntas.

Profissional: Rodrigo Rosp

+

Rodrigo Rosp é escritor, editor e professor. Como escritor, participou de diversas antologias e publicou quatro livros individuais: A virgem que não conhecia Picasso (2007), Fora do lugar (2009), Fingidores (2013, semifinalista do Prêmio Portugal Telecom de Literatura) e Inverossímil (2015); e organizou as antologias 24 letras por segundo (2011) e Por que ler os contemporâneos? (2014). Como editor, é sócio da Dublinense e da Não Editora (vencedora do Prêmio Açorianos de Editora do Ano em 2008), e já publicou e editou mais de cem livros. Como professor, já ministrou cursos em Curitiba, Rio de Janeiro e São Paulo, além de Porto Alegre (na ESPM e na Perestroika, entre outras instituições). Tem pós-graduação em Estudos Linguísticos do Texto (UFRGS), mestrado e doutorado (em andamento) em Escrita Criativa (PUC/RS).

Tema: A influência digital na literatura em papel

Sinopse: Muito se discute qual será o futuro do livro e da literatura a partir da chegada de certas tecnologias. É igualmente importante, no entanto, observar o movimento contrário: como a literatura em meio impresso absorve a tecnologia, como ela se comporta em um mundo digital. Ao longo da sua longa história, o fazer literário sempre incorporou linguagens de outros meios, e agora não seria diferente. Através de exemplos contemporâneos e clássicos, buscaremos, portanto, verificar e entender a influência digital na literatura em papel.

Profissional: Ronald Augusto

+

Ronald Augusto é um escritor que atua em inúmeras áreas. É poeta, músico (integra a banda os poETs), letrista (tem parcerias com Marcelo Delacroix, Álvaro Rosa Costa e Somone Rasslan), ensaísta e possui ainda um trabalho significativo no âmbito da literatura. Suas produções foram publicadas em revistas literárias, bem como em antologias, dentre elas destacamos: A razão da Chama, organizada por Oswaldo de Camargo (1986), a revista americana Callaloo: African Brasilian Literature: a special issue, EUA (1995 e 2007), a revista alemã Dichtungsring Zeitschrift für Literatur, e outras. As principais temáticas presentes no repertório intelectual de Ronald Augusto referem-se à poesia contemporânea e à literatura negra no Brasil. Entre essas publicações um estudo referente à obra de Cruz e Sousa mereceu destaque e por este trabalho o escritor recebeu a Medalha de Mérito conferida pela Comissão Estadual para Celebração do Centenário de Morte de Cruz e Sousa. Atualmente Ronald Augusto realiza palestras e oficinas/cursos abordando assuntos como música, literatura negra, poesia contemporânea e visual. Em 2007 criou ao lado do poeta Ronaldo Machado a Editora Éblis, voltada para a poesia. Colaborador do caderno Cultura do Diário Catarinense, Zero Hora e Correio do Povo. Entre suas principais publicações destacamos Homem ao rubro, de 1983, Puya, com a primeira edição em 1987; e ainda um dos seus mais recentes trabalhos, que recebeu o nome de Confissões Aplicadas, publicado em 2004. Recentemente publicou pela editora Éblis o livro de poemas No assoalho Duro (2007), Cair de Costas (2012), Decupagens assim (2012) e organizou e apresentou Oliveira Silveira: Obra reunida (2012).

Tema: Por mais diversidade de vozes e cores na literatura

Sinopse: Conversas sobre a produção literária negra brasileira. Ronald Augusto (mais de 30 anos de dedicação à poesia) falará sobre seu trabalho e a relação que mantém com a tradição dos escritores negros em busca de afirmação no universo da literatura. Leitura de poemas e textos escritos por negros que tematizam o problema do racismo na sociedade brasileira. Divulgar a produção desses autores de modo a conquistar mais leitores e mais diversidade para o ambiente literário em nosso país.

Profissional: Vinícius Rodrigues

+

Vinícius Rodrigues é doutorando em Letras pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Além dos vínculos acadêmicos, Vinicius é professor de Literatura no Colégio Santa Inês (Porto Alegre, RS), no Colégio Monteiro Lobato (Porto Alegre, RS – bairro Boa Vista) e no grupo Unificado (pré-vestibular, RS). Sua experiência docente sempre teve a marca da versatilidade, transitando por diversas temáticas ligadas ao texto, à leitura, à literatura em geral, à história da arte e aos diálogos da literatura com outras linguagens artísticas. Sendo assim, além do magistério, Vinicius costuma levar atividades de cunho pedagógico e cultural a espaços diversos. Nesse sentido, destacam-se palestras e saraus em eventos como as Feiras do Livro de Porto Alegre, Guaíba (RS) e Torres (RS), em instituições como PUCRS, IFRS (diversos campi), Unilasalle (Canoas, RS), Univates (Lajeado, RS) e ESPM (Porto Alegre). Vinicius também faz parte do projeto Cancioneiros, grupo que realiza palestras, saraus e atividades pedagógicas e artísticas em escolas, faculdades, feiras e eventos, tendo como base o trabalho com a canção popular brasileira, abordada a partir de diversos temas, enfoques e diálogos possíveis (ver: www.facebook.com/cancioneiros). Tal vínculo mostra-se também fundamental para propostas executadas fora do grupo, de maneira individual, em que conceitos e abordagens literárias podem ser mediadas através da canção executada ao vivo pelo professor (que, nesse âmbito, também atua como músico); aqui, destacam-se os saraus intitulados Literatura & Rock, A Canção e A Cidade, Sarau Tropicália, Diálogos entre canção e literatura, Canção e Ditadura e A História e o rock brasileiro.

Tema: Literatura & Rock

Sinopse: Mais do que um som grave e distorcido, o rock foi um dos gêneros musicais mais influentes do século XX; a sua versatilidade é tão grande que se dividiu nos mais diferentes subgêneros, permitindo uma mistura de sons que comprova sua riqueza, atualizando-se através dos tempos. No plano do conteúdo, essa relação entre rock e literatura pode ser percebida de várias maneiras: há cantores de rock que são grandes contadores de histórias, por exemplo; há compositores roqueiros que se abastecem constantemente da tradição literária como referência para suas criações; o rock é referenciado em obras literárias e há canções que abastecem a própria literatura como influência; e, ainda, numa dimensão mais abrangente, o rock relaciona-se com os principais acontecimentos das histórias brasileira e mundial e pode ser o transmissor de questões tanto comportamentais quanto sociais e estéticas. É por esses caminhos que segue a atividade intitulada LITERATURA & ROCK que propõe um formato de sarau, em que a leitura literária mescla-se à música ao vivo e a experiência sonora motiva a descoberta do texto.

Confira as Unidades Sesc participantes:

SESC BAGÉ
Rua Barão do Triunfo, 1280 – Fone (53) 3242.7600 / bibliotecabage@sesc-rs.com.br

SESC CACHOEIRINHA
Av. João Pessoa, 27 – Fone (51) 3439.1751 / bibliotecacachoeirinha @sesc-rs.com.br

SESC CACHOEIRA DO SUL
Rua Sete de Setembro, 1324 – (51) 3722-5795 / 3722-3315

SESC CANOAS
Av. Guilherme Schell, 5340 – Centro – Fone (51) 3456-2013 /bibliotecacanoas@sesc-rs.com.br

SESC CAXIAS DO SUL
Rua Moreira César, 2462 – (54) 3209-8250 / bibliotecacaxias@sesc-rs.com.br

SESC FREDERICO WESTPHALEN
Rua Arthur Milani, 854 – 1º andar – Centro – Fone (55) 3744-3076 / 3744-7450 / bibliotecafrederico@sesc-rs.com.br

SESC GRAVATAÍ
Rua Anápio Gomes, 1241 – Fone (51) 3497-6174 / 3497-6118 / 3497-6239 / bibliotecasescgravatai@sesc-rs.com.br

SESC LAJEADO
Rua Silva Jardim, 135 – Fone (51) 3714.2266 e (51) 3710-1970 / bibliotecalajeado@sesc-rs.com.br

SESC NAVEGANTES – PORTO ALEGRE
Av. Brasil, 483 – Bairro Navegantes – Fone (51) 3342.5099 / bibliotecanavegantes@sesc-rs.com.br

SESC PASSO FUNDO
Av. Brasil, 30 – Fone (54) 3313-4318/ 3311-9973 / bibliotecapassofundo@sesc-rs.com.br

SESC SANTANA DO LIVRAMENTO
Rua Brigadeiro David Canabarro, 650 – Fone (55) 3242-3210/ 3242-3732 / bibliotecalivramento@sesc-rs.com.br

SESC SÃO LEOPOLDO
Rua Marquês do Herval, 784 – (51) 3592-2129 / 3575-2472 / cfermino@sesc-rs.com.br

SESC TAQUARA
Rua Júlio de Castilhos, 2835 – Fone (51) 3541-2022 / bibliotecataquara@sesc-rs.com.br

SESC URUGUAIANA
Rua Flores da Cunha, 1984 – Fone (55) 3412-2482/3412-4624/3411-2433 / bibliotecauruguaiana@sesc-rs.com.br